terça-feira, 24 de maio de 2016

QUEM É COMIDO É VOCÊ!



O povo bebe água contaminada, passa o dia comendo açúcar, pesticida e transgênico, fica entretido com o teatro político de atores da pior qualidade, e depois que adoecer de câncer, faz o quê, mesmo? Vai pedir a degravação da conversa telefônica de algum político? Não, né? Então, se preocupe com você primeiro, que está sendo corroído por toxinas, e observe o que VOCÊ come!
Antes que você, leitor, morra doente envenenado, fica aqui algumas dicas de “como sobreviver nesse país chamado Brasil”, diante da atual conjuntura política e econômica. Nesse salve-se quem puder, depois não digam que eu não alertei.

I – VÁ PLANTAR BATATA DOCE!

Isso mesmo. Se surgir uma escassez de alimentos por algum revertério econômico, ao menos você terá uma fonte de alimento limpa, nutritiva e saudável para sobreviver. Seja lá onde morar (até morador de rua!), arrume um espacinho e plante seu alimento. Cultive umas ervas de chás calmantes e temperos. Se essa crise alimentícia não acontecer, as batatas serão saboreadas mais tranquilamente. E essa já é uma alternativa ao pão, como iremos falar mais abaixo. É também uma economia. Na internet há vários sites e vídeos explicando como fazer, aproveite enquanto a internet é livre para aprender a cultivar horta caseira.

II – COMA ALHO

Pegue um dente de alho inteiro (eu prefiro aqueles dentes menorzinhos) e corte para ficar vários pedaços do tamanho de um comprimido (corta seguindo a fibra do próprio alho, depois corta horizontalmente). Engula com algum líquido com sabor forte e nem sentirá o gosto (dará uns arrotinhos discretos, mas com o tempo se acostuma). Se fizer todos os dias, seu corpo estará mais fortalecido para resistir a essas doenças. No primeiro sinal de que a doença vai chegar, já toma. Se tiver problemas de estômago, antes do alho bata no liquidificador uma folha de couve com meio copo d’água, coe e tome assim que acordar. Em menos de cinco minutos, você produz seu próprio remédio. Já economizou $ e ainda poupou seu corpo dos efeitos colaterais da indústria de medicamentos. Ainda ganhou também uma fonte de cálcio (este está presente nas folhas verdes escuras, inclua estas em sua alimentação, na paz). Esqueça esse negócio de tomar leite de vaca. Mais detalhes sobre o leite adiante.

III – ÁGUA COM LIMÃO

Procure filtrar a água com aqueles deliciosos e eficientes filtros de barro, e esprema um limão. Tome várias vezes durante o dia, utilizando um canudo, para não desgastar o esmalte do dente. Não adoce. Comece com meio limão, depois vá aumentando até se acostumar.

IV – EXCLUA DE SUA VIDA ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS E SERÁS FELIZ

O açúcar é uma das piores drogas da atualidade, está até mesmo no cigarro, na pasta de dente e em praticamente todos os alimentos industrializados, como num suposto inofensivo molho de tomate. Temperos prontos têm substâncias tóxicas que nosso organismo não digere. Conservantes não “conservam” os alimentos, somente os impede de se deteriorarem, já que os nutrientes se perdem gradativamente à medida que o alimento vai sendo processado. A solução é cozinhar alimentos naturais, congelá-los e consumi-los o mais rápido possível. É só colocar em sua rotina semanal 3 a 5 horas por semana (dependendo da quantidade de pessoas para alimentar; para uma ou duas pessoas, por exemplo, gasto 3 horas para preparar o almoço e jantar de 1 semana, mais 30 minutos para lavar a bagunça). Cozinhar ouvindo música é uma delícia. Experimentar temperos, errar, comer apulso receitas mal sucedidas até entender o seu próprio ponto de tempero é um processo necessário e uma conquista libertadora ao final. Desligue a televisão e o celular e vá para cozinha.

V - DOCE SÓ DA FRUTA OU MEL

Voltemos ao açúcar da cana, em como se livrar dessa desgraça. Para entender por que é tão ruim, recomendo a leitura do livro “Suggar blues – o gosto amargo do açúcar”, de William Dufty (há disponível para download pela internet). Mas vamos às dicas para resolução do problema, vindas de uma ex-formiguinha e açúcar-adicta. Foi preciso ter câncer por duas vezes aos 32 anos para entender a gravidade da ingestão de açúcar para nosso corpo. Agora, beirando os 35, posso afirmar que nunca estive tão saudável! Só porque agora presto atenção a minha alimentação e pratico exercícios físicos quando posso.
Dicas para quem, como eu, quer se libertar dessa droga:
1)      comece misturando o açúcar refinado com o mascavo. Depois de uns dias, diminua a quantidade de açúcar e vá introduzindo o mel; aos poucos vai aumentando este, diminuindo aquele, até seu paladar se acostumar. Depois, vai aos poucos diminuindo o mel. Esse processo dura em torno de 2 a 3 meses. Persistência!
2)      Se usar adoçante (não sei como você consegue, todo mundo já sabe que faz mal!), enfim, vá diminuindo a quantidade de gotas.
3)      Sucos, só da própria fruta batida. Não existe suco de fruta em caixa! Existe o sumo da fruta, às vezes puro, às vezes misturado com outras substâncias terríveis, colocado em caixas ou garrafas. Mas não é o suco! Suco é da fruta pura ou com um pouco d’água! Polpa também não serve muito, mas já é alguma coisa. Após ser batida, a fruta já começa a perder os nutrientes. Tem que tomar logo! Suco de caixa é uma publicidade enganosa para associar o nome de uma coisa a outra. É como chamar de “excelência” esses políticos brasileiros. Eles revelam “excelência”? Não né? Nem o suco de caixa é suco porque assim é chamado. “O que há, pois num nome? Aquilo a que chamamos, rosa, mesmo com outro nome, cheiraria igualmente bem”, comentaria Julieta de Shakespeare. A indústria associa os nomes a significados diversos para confundir mesmo. Como responderiam os Novos Baianos: “besta é tu, besta é tu”, se persistir nessa alienação.
4)      Banana passa (sem adição de açúcar), ameixa, damasco, castanhas (observe a quantidade dessas, não abuse): ande sempre com um potinho com estas iguarias para quando der o “saci” do açúcar (essa expressão é usada na Bahia para descrever a sensação de fissura de um usuário de crack na abstinência da droga. Tente parar de comer açúcar para experimentar essa mesma sensação, na mesma hora que você usualmente comia! Se passar um tempo sem comer e não resistir a “um taquinho” de um doce supostamente irresistível, prepare-se para sentir a sensação novamente no dia seguinte no mesmo horário). Persistência que consegue!
5)      Aos chocólatras: banana machucada com cacau em pó (coloco canela, granola obviamente sem açúcar, linhaça etc). É excelente para TPM. Outra receita que adoro é banana da terra/comprida cortada em rodelas, coloca no forno numa forma untada com óleo de coco e gergelim salpicado. Fica crocante e tanto pode ser comido com pastas salgadas como com canela. Difícil é parar de comer.

VI – O PÃO NOSSO DE CADA DIA, NÃO PERDOAI!

Receita de pão: farinha de trigo (este, transgênico, modificado geneticamente após várias gerações, não possui mais a qualidade ressaltada pela literatura bíblica, provoca inchaço, gases, não alimenta) + açúcar (já falei), + sal (outro pó branco desgraçado, deve ser consumido minimamente e substituído por outros temperos. Uma alternativa boa é o gersal, bate no liquidificador gergelim com sal), margarina (é como comer plástico!), fermento (ixi!), ovos (falarei deste daqui a pouco), leite (já chego nele). Nutrientes zero, saciação de fome somente. Se até carro não funciona bem com gasolina adulterada, imagine você.
Alternativas para cada dia da semana:
1)      aipim/macaxeira cozida ou, após, assada no forno até ficar sequinha (assim é melhor para levar como lanche e para tira-gosto. Para ficar mais saborosa, coloca para assar “empanada” com chia e orégano. Para untar a forma, óleo de coco, ou então coloca em uma folha de bananeira, esta substitui o papel alumínio);
2)      tapioca;
3)      banana da terra (banana comprida);
4)      inhame (esse é ótimo anti-inflamatório);
5)      batata doce (olha ela aqui de novo!);
6)      cuscuz de milho não transgênico (deve ter essa informação no rótulo ou você conhecer a procedência, caso contrário, no Brasil, deve-se pressupor que a soja e o milho são transgênicos até prova em contrário);
7)      pães sem trigo, sem leite de gado, sem açúcar, sem ovos, sem sal. É possível? Sim, procura aí a receita. Depois passo umas.

VII) AFINAL, COMER O QUÊ?

Para beber, saiba que chá verde deixa mais ligado que café. Faz 1 litro de manhã cedo, coloca numa garrafa térmica, e passa o dia tomando. Vai diminuindo o café aos poucos.
Substitui o feijão de supermercado, cheio de agrotóxico, pelo feijão verde debulhado na feira, lentilha, grão de bico. O arroz branco, também envenenado, deve ser usado somente se integral e com cuidado. Bom cozinhar arroz com quinoa.
As carnes vermelhas e o leite de gado são um problema. O gado “X” se alimenta com ração de soja e milho transgênicos, processa isso, e vira um gado “Y”, com essa reação química incorporada. Esse alienígena que você come ainda recebe hormônios, vive confinado, é morto em um processo torturante, não vive. Como você fica quando está nervoso? Eu fico com as carnes tremendo. Bicho é igual. Comer bicho estressado gera estresse em você também. Sou da linha do “bem estarismo” animal, embora compreenda e ache interessante os argumentos dos abolicionistas (veganos). Se você é “louco por carne”, saiba que a humanidade não comia essa substância da forma como utilizamos. Os Incas, por exemplo, só consumiam em casamentos e eventos festivos anuais. Nosso organismo não precisa tanto, se é que precisa. Na dúvida ou na impossibilidade de controlar o desejo, ao menos guarde a experiência para somente quando souber a procedência da carne ou for algo assim impossível de optar por qualquer outra coisa. O leite de vaca só começou a ser utilizado pela humanidade em povos de climas bastante frios, porque esquenta o corpo. Essa tradição de utilizar na alimentação veio dos países nórdicos europeus, não cabe no clima dos trópicos. Dá para substituir por leite de arroz, de inhame, de macadâmia etc, há várias receitas alternativas. E o cálcio, como já disse, está presente nos alimentos verdes escuros e em várias outras alternativas mais saudáveis. Essa de que tomar leite faz bem para saúde é outra pegadinha da indústria alimentícia. Eu fiquei curada da sinusite e alergias respiratórias quando parei de comer coisas com lactose. Porque, como diria Arnaldo Antunes, eu "tinha que respirar, todo dia". Confesso que de vez em quando como um pedacinho de queijo daqueles com gosto bem forte. Espirro pouco depois. Alergia.
Frangos (e ovos) conseguem ser ainda piores. Se não forem de quintal, esqueça, inclusive todas as receitas que os contém. Além de se alimentarem de transgênicos e viverem enlouquecidamente somente destinados a morrer, ainda são injetadas nos frangos altas quantidades de antibióticos “preventivos” (já que eles ficam muito grudados e, se um adoecer, contaminaria os demais) e ainda, como todos já sabem, muitos hormônios de crescimento. Quando aceleram a “vida” dos alimentos, aceleram a sua morte, prezado(a) leitor(a). Quando cortar um pedaço da carne branca, lembre-se que é da mesma cor de um comprimido de antibiótico. Aí você perde a vontade de comer, se tiver amor próprio.
Peixes e crustáceos, só se forem do rio ou do mar. É crescente o número de pessoas que estão ficando alérgicas a camarão, justamente por ser cultivado em cativeiro com sua alimentação alterada. Com os demais, não percebemos tanto. O camarão, que sempre foi tido como o “urubu do mar”, agora que está comendo esses “lixos” de ração, fica ainda mais tóxico que quando limpava os detritos marinhos. Vai ver que é por isso que as pessoas estão mais intolerantes: estão ficando “alérgicas ao outro” ao comer essas "rações brasileiras".
Gandhi, advogado, já dizia que “a revolução começa dentro de nós”: se controlarmos a gula, controlamos também todos os outros sentidos. Seguindo seu conselho, procurei estudar. Não citei as fontes dessas informações aqui relatadas, porque não é um artigo científico, mas são fruto de minhas pesquisas no mestrado em Relações Sociais e Novos Direitos na linha de Bioética, pela UFBA, especialmente após lições aprendidas em congressos e restaurantes macrobióticos, bem como em livros sobre a história da alimentação, sobre receitas, e, finalmente, depois de mudanças de hábitos e de ter errado muito na cozinha. Além de, lógico, minha mãe, avó, tias, mães de amigas, chefes de cozinha, pessoas com paciência para responder perguntas e mais perguntas. Respeito as tradições ancestrais. Se tiver alguma dica de sua avó, diga-me. Adoro vovós!
Não sigo nenhuma linha nutricional categorizada, mas acredito que a moderação é o caminho, ao menos para começar a batalha. O fato é que recuperei minha saúde. Espero que essas informações sejam úteis para você também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário